segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Pergunta idiota, tolerância em exercício...

Nós, pessoas com deficiência, frequentemente somos alvo da curiosidade do povo, que, em geral, desconhece os assuntos relacionados à nossa condição. Seja no ponto de ônibus, no shopping, na escola, no trabalho, numa entrevista, as perguntas sempre vêm, repetitivas e piegas, cheias de dedos, ou inusitadas e bizarras. Segue então um pedacinho, só um pedacinho da coleção de respostas deselegantes que eu sempre quis dar a essas perguntas e abordagens que nos perseguem ao longo da vida, mas que a diplomacia nem sempre me permitiu declarar verbalmente:


1- Apresentadora de TV ao início do programa -

Então quer dizer que você enxerga com os olhos do coração e canta divinamente, não é isso?

R: Pra começar, seria muita falta de humildade da minha parte concordar com você sobre cantar divinamente; já quanto aos olhos do coração, estou pra te dizer que eles devem estar precisando de uns bons óculos, porque continuam não me avisando dos degraus, buracos, orelhões etc.

(em pensamento)


2- Jornalista de revista, cheia de dedos pra tentar saber se a minha deficiência seria congênita ou adquirida -

Como você nasceu?

R: Ih, sua mãe nunca te contou a história da sementinha?

(Essa escapou do pensamento...)


Não, eu quero saber se você nasceu assim.

R: Não, na verdade nasci bem menor e com os cabelos bem mais curtos. Ah, e dentes eu também não tinha não.

(em pensamento...)


3- Apresentador de TV -

Como você pode cantar tão bem sendo cega?

R: E como você pode apresentar um programa de TV sendo tão despreparado?

(em pensamento, trincando os dentes... :X)


4- Estudante de jornalismo em entrevista por telefone -

Em que a música te ajuda a superar os obstáculos da sua deficiência ao andar nas ruas, por exemplo?

R: Pois é, os obstáculos não estão exatamente na minha deficiência, mas sim no mundo, na mente das pessoas e nas ruas, como você mesma disse. Então o processo da superação pela música, neste caso, funciona mais ou menos assim: ao atravessar uma rua sem sinal – é só cantar um samba e todos os veículos param automaticamente; numa calçada cheia de desníveis, fradinhos, canteiros e buracos – aí é só cantar um axé que todos os obstáculos saem do meu caminho, obviamente dançando frenéticos. Agora, se eu cantar um new age, minha amiga, os caminhos mais planos, macios e cor-de-rosa se abrem sob meus pés, acompanhados de um céu lilás e nuvens à minha volta, enquanto fadas azuis e virgens me pegam pela mão e me conduzem voando até onde preciso ir, aí é quando eu transcendo mesmo tudo isso e não preciso me preocupar com mais nada.

(em pensamentos gargalhantes :D)


5- Como você enxerga? Você vê vulto? Você ta me vendo? Como você me vê?

R: Te vejo como uma pessoa bastante ansiosa e curiosa.

(em pensamento...)


6- Você não tem a visão perfeita mas, em compensação, Deus te deu um ouvido fantástico pelo jeito, não foi?

R: Na verdade ele me deu o mesmo ouvido que a vocês, vocês é que não aprendem a usar direito...

(Essa escapou... :D)


7- Como é seu dia-a-dia?

R: Mais ou menos assim: um dia, após outro dia, que veio após outro que veio depois de outro dia.

(em pensamento...)


8- Ao pedir a alguém no ponto de ônibus que me avise quando chegar o meu ônibus, o alguém me diz:

Aviso sim, se eu ainda estiver aqui eu aviso.

R: ah, q bom, então se vc não estiver mais, me manda um sinal telepático, porque o de fumaça eu não vou ver mesmo.

(em pensamento...)


9- O que aconteceu com você? (essa todo “dificiente” já ouviu!)

R: Depende: hoje? Ontem? Nas últimas horas?

(Essa foi inevitável, escapou também...)


10- Pessoas que me conduzem gentilmente até certo ponto onde devo aguarda-las voltarem e, ao solicitarem o auxílio (desnecessário neste momento) de uma terceira pessoa, conhecida ou qualquer passante, dão a seguinte ordem, oferecendo o meu braço à outra pessoa:

Segura ela aqui pra mim que já volto.

R: Não, não, eu não vou fugir não, moço.

(Essa também tive que falar! ;D)


Vale destacar aqui, minha gente, que sanar as dúvidas do povo em relação a qualquer assunto é fundamental pra minimizar preconceitos e quebrar tabus, e que depois das respostas de “Saraiva”, sempre procuro esclarecer e informar, com paciência e bom humor. E, enquanto eu, na minha missão, vou aprendendo a ser mais tolerante e menos malcriada ;), as pessoas vão aprendendo a fazer perguntas mais objetivas e abordagens mais naturais. O aprendizado é de todos!


12 comentários:

  1. Eh, Sara, que delícia! Essa diplomacia nos faz engolir cada sapo!
    Grande beijo
    Renata

    ResponderExcluir
  2. mt boom!to rindo mt!!rssRT

    ResponderExcluir
  3. KKKKKKKKK... Boa! se fosse eu, cara d pau, tinha declarado tudo na lata! beijos, sarinha!

    ResponderExcluir
  4. Sarinha, ri demais!!!!!! Muito bom!!!! Tbm estou aprendendo a ser menos malcriada!

    ResponderExcluir
  5. José Victor de Macedo27 de setembro de 2011 09:47

    "tolerância em exercício foi excelente..."

    ResponderExcluir
  6. amiga linda e malcriada: era pra rir não? eu mijei de tanto...
    você ja tinha me contado algumas pérolas mas essas foram mesmo sensacionais
    mas, como tudo tem de ter seu lado sério, devo dizer que não sei se já estou mais, digamos, "imune' a alguma dessas perguntas ou comentários. Será que eu ja fiz muitas delas pra você???
    bjsss e saudades

    ResponderExcluir
  7. Adorei Sarinha, muito espirituoso o seu texto...
    As vezes, eu também devo fazer umas perguntas idiotas rs
    mas paciência comigo amiga, como vc mesma disse o aprendizado é mutuo.
    Tenho uma pra te contar,"adoro" quando as pessoas chegam pra mim na rua e falam que vão rezar pra eu ficar boa! rs
    quando as pessoas vão entender que deficiência, não é doença hein? hahaha
    Beijos, até domingo

    ResponderExcluir
  8. Sarinha,

    Eu nem vou ficar me derretendo em elogios, porque você sabe exatamente o quanto admiro sua energia, beleza interior e exterior e força.

    Acreditar. Sempre.

    ResponderExcluir
  9. Hahahaha'
    Sara sem papas na língua! ;P

    ResponderExcluir
  10. olha sara voce vai na loja de tenis e ai o vendedor so mostra o que interessa. eu falo gostaria de un tenis comfortavel ai ele vem e fala a eu tenho esse nike shoks 12 molas bla bla bla bla pó eu so quero um tenis confortavel e ventile o cara sera que acha que eu sou saltador corredor o que porra sei la na cabeça deles o bom e o caro
    isso me irrita
    beijos pra vc saudades

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. hahahahahaa Renato essa foi ótima hahahahaa...
    Sara, mesmo assim vc leva tudo com bom humor...hahahahaha em pensamento vc foi engraçadíssima hahahahahahhaaaaaa muito bom.

    ResponderExcluir